É uma boa hora para fazer o seu planejamento tributário pessoal

Sabe aquele velho hábito de realizar as resoluções de ano novo na véspera do reveillon? Você não precisa mudar a sua tradição, mas se deseja obter bons resultados com o planejamento tributário pessoal, eu recomendo fazer agora! Imediatamente! É possível extrair muito mais vantagens nesta época do ano.




Por que em novembro é o momento ideal? Você já tem uma visão quase completa do ano base da declaração do imposto de renda e ainda tem mais de um mês para realizar ajustes e usufruir dos benefícios que a legislação confere.


Então por onde começar?


1) Descubra o seu rendimento anual.


Recomendo que você comece pelo levantamento do seu rendimento obtido no ano. Busque os seus extratos e informes de rendimento para ter uma visão geral da renda auferida ao longo de todo o ano. Não esqueça de arrolar todos os rendimentos recebidos ao longo do ano até mesmo aqueles eventuais como locação de imóvel no Airbnb. Sobre o tema escrevi um artigo. esclarecendo o tema.

Use seu aplicativo favorito, socorra-se do velho excel ou use ainda a versão antiga do programa da declaração do imposto de renda. Não tem problema usar a versão antiga, pois o que você deseja é apenas ter uma ideia de quanto você recebeu e simular quanto você deverá pagar de imposto de renda. Em relação aos rendimentos que faltam serem pagos, faça uma estimativa para que se consiga chegar mais próximo possível do seu rendimento anual.

Informe os valores já descontados a título de imposto de renda e contribuição previdenciária e pronto! Você já tem uma prévia, estimativa do seu recolhimento de imposto de renda no ano seguinte.


Você tem imposto de renda a recolher? Então preste atenção nas dicas que vou dar a seguir.


2) AVALIE CONTRATAR UM PLANO DE PREVIDÊNCIA PRIVADA.


Se você simulou o seu imposto de renda para o próximo ano e ainda possui saldo a pagar, uma boa dica é realizar aplicação num plano de previdência privada. Foi-se o tempo em que os planos de previdência eram extremamente conservadores e ofereciam rentabilidade decepcionante. O mercado oferece uma gama muito grande de produtos que podem se encaixar no seu perfil e estratégia. Para extrair essa vantagem você deve escolher o Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL) que pode gerar uma dedução de até 12% da renda bruta tributável.


3) VIRE SUAS GAVETAS DE CABEÇA PARA BAIXO E ENCONTRE RECIBOS DE DESPESAS DEDUTÍVEIS.


Para evitar a correria em março e abril, procure já seus recibos de despesas com médicos, exames, hospitais, dentistas, seus e de seus dependentes. Você pode estar pensando: Éderson, meu prazo é final de abril! Não há pressa. Eu diria que avaliar quais as despesas dedutíveis você já acumulou ajudará a saber como direcionar as próximas estratégias. Além disso, aquelas consultas que você estava pensando em fazer em janeiro, talvez possa valer a pena antecipar para utilizar ainda no exercício em curso.

Sobre as despesas com educação que podem ser dedutíveis na sua declaração de ajuste anual, vale dar uma olhada no artigo que publiquei no blog.


4) AVALIE UTILIZAR O LIVRO-CAIXA


Como o exercício não encerrou, você ainda pode escriturar o seu livro-caixa para aproveitá-lo na próxima declaraçào de ajuste anual. Nem todos os contribuintes sabem, mas a legislação permite que se utilize o livro-caixa para registro e dedução de certas despesas da base de cálculo do imposto de renda. A lógica é simples: se você recebeu uma renda, mas para gerá-la incorreu em despesas, não parece correto que o Governo tribute uma riqueza inexistente. Em outras palavras, para usar uma linguagem mais técnica, o imposto de renda só pode incidir sobre riqueza nova ou "acréscimo patrimonial". A forma de mensurar adequadamente é através do registro num documento contábil chamado de livro-caixa. Este documento registra a entrada e saída de dinheiro de uma determinada entidade (pessoa física ou jurídica). Este documento é uma forma de ter controle de todos os gastos, servindo tanto como instrumento contábil assim como gestão financeira. Há algum tempo atrás, escrevi um artigo falando especificamente do livro-caixa e como é possível aproveitar essa previsão legal.


5) AVALIE REALIZAR UMA DOAÇÃO DO SALDO A PAGAR.


Se você possui saldo a pagar do imposto de renda, você pode realizar doações que gerarão dedução na declaração anual do próximo ano. Você deve estar pensando: mas Éderson, essa dica não gera redução da tributação e sim apenas muda o destino! Sim, você tem razão. Você continuará tendo que pagar o mesmo valor, porém poderá dar um destino melhor que abastecer os cofres de Brasília e ajudar quem realmente precisa. É muito melhor destinar o imposto para quem realmente precisa do que financiar a burocracia que parasita em Brasília.

Você pode realizar doações para:

(i) aos fundos controlados pelos conselhos municipais, estaduais, distrital e nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente, conforme o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA);

(ii) aos fundos controlados pelos conselhos nacional, distrital, estaduais ou municipais do Idoso;

(iii) ao Fundo Nacional de Cultura (FNC), à produções audiovisuais;

(iv) ao Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde da Pessoa com Deficiência (Pronas/PCD);

(v) ao Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica (Pronon), entre outros.

Você pode doar até 3% do imposto de devido em cada doação e o somatório não pode ultrapassar o limite de 6% do imposto a recolher.


6) REAVALIE SUA ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTO


Eu defendo no meu livro "O MAIS IMPORTANTE PARA O INVESTIDOR SOBRE TRIBUTAÇÃO" que a estratégia de investimento deve levar em consideração a tributação da renda exigida no Brasil. É possível fazer uma rotação da carteira (rotation trade) assumindo certos prejuízos para compensar com resultados positivos em outras aplicações. A Instrução Normativa RFB n° 1.585/2015 autoriza a compensação então vale a pena você avaliar o reconhecimento de prejuízo e buscar melhores oportunidades antes do encerramento do exercício.


7) VOCÊ TEM RESTITUIÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA: ENTREGUE A SUA DECLARAÇÃO DE RENDA O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL


Se você seguiu minhas dicas e revisou o seu imposto de renda para o próximo ano, pode ter conseguido reverter a posição de devedor do Leão para o status de credor. Se você conseguiu restituir o imposto pago a maior, então a última dica é enviar sua declaração o quanto antes. Os lotes de restituição observam a ordem de envio das declarações, sendo que o primeiro lote é sempre destinado às prioridades por lei. Depois são restituídos os contribuintes por ordem cronológica. Como a correção aplicada sobre o seu saldo a restituir é indexada pela SELIC, a remuneração do capital pode não acompanhar a inflação e você acaba perdendo dinheiro. Então não perca tempo e envio logo a sua declaração.


Siga as dicas que compartilhei neste artigo e outras que estão indicadas neste Blog e depois comente comigo se deu certo e quanto você economizou!



241 visualizações0 comentário